Galeria22 | Sonia Ebling
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
19537
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-19537,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Sonia Ebling

Sonia Ebling (Taquara RS 1918 – Rio de Janeiro RJ 2006)

 

Escultora, pintora e professora.

 

Sonia Ebling de Kermoal inicia sua formação fazendo cursos de pintura e escultura na Escola de Belas Artes do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, entre 1944 e 1951. Em 1955, recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro. De 1956 a 1959, viaja por vários países da Europa, estudando com Zadkine, em Paris, França. Reside nessa cidade, entre 1959 e 1968, e recebe uma bolsa de estudo da Fundação Calouste Gulbenkian. De volta ao Brasil, executa relevo para o Palácio dos Arcos, do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília, Distrito Federal. Em 1970, ministra um curso de extensão técnica, diretamente em cimento, na Escola de Belas Artes da UFRGS. Seis anos depois, é convidada para lecionar escultura nessa mesma universidade.

Críticas

 

“Com a série Os Casais, principalmente Casal no Colo (1978 – bronze, 0,18 m), Love (1977 – bronze, 0,46 m) e Nupcial (1979 – bronze, 0,45 m), atinge ela um de seus pontos culminantes. Emerge uma escultura de livre inspiração, de inquietude formal disciplinada, de fantasia acorrentada a um instinto seguro, que não só lhe proíbe o desgarramento no anedótico e no folclórico, mas a impele, sempre mais, para a depuração. Outra vez, o instinto conjura-lhe a adesão a todo essencialismo in vitro. Sua escultura, em definitivo, torna-se impura por uma espécie de obsessão, que a mantém nas malhas dos sentidos comovidos pelo choque direto do mundo e dos homens”.

Armindo Trevisan

Trevisan, Armindo. Sonia Ebling: a escultura dialética. In: —. Escultores contemporâneos do Rio Grande do Sul. p.54.