Phi apresenta Renata Morales e Marina Abramović em Veneza - Galeria22
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
23358
post-template-default,single,single-post,postid-23358,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Phi apresenta Renata Morales e Marina Abramović em Veneza

Phi apresenta Renata Morales e Marina Abramović em Veneza

A exibição acontece em paralelo à Bienal, na galeria Ca ‘Rezzonico

Com sede em Montreal, a Phi é uma das principais organizações culturais e de arte, dedicada a olhar para a evolução das novas gerações de cultura. Agora, leva a sua provocação à Veneza, em paralelo à 58ª Bienal, com o trabalho imersivo e multidisciplinar de duas das principais artistas femininas do cenário internacional, Renata Morales e Marina Abramović. A exposição está em cartaz até 6 de julho.



Através deste projeto, a Phi estabelece um efêmero centro cultural na Ca ‘Rezzonico Gallery, mostrando seu compromisso com a interseção entre arte e tecnologia e solidificando sua posição na vanguarda da exploração de como as futuras gerações irão consumir a cultura.

Rising, de Marina Abramović

Universo distópico e ambientes virtuais

A exposição inclui “Invasor”, uma instalação de mídia mista da artista mexicana Renata Morales, e “Rising”, obra de realidade virtual de Marina Abramović que explora os efeitos da mudança climática e do nível do mar.

“Invasor” é o resultado de uma residência de dois anos da artista com Phi. A exposição foi instalada em duas galerias, tomadas por esculturas em cerâmica de figuras femininas, animais, dinossauros e estranhas criaturas imaginárias. Elas foram instaladas em meio a restos de objetos e detritos vindos do ateliê de cerâmica de José Noé Suro, Cerámica Suro, em Guadalajara, México, onde Morales tem fabricado suas obras. Uma instalação de 70 pneus usados e pintados em tons suaves, ao lado de enormes auto-retratos impressos em tecidos desgastados, criam um universo distópico de opostos.

A obra de realidade virtual “Rising”, de Marina Abramović e produzida pela Acute Art, aborda a mudança climática ao transportar os espectadores para testemunhar os efeitos do aumento do nível do mar. Usando um fone de ouvido imersivo, os espectadores entram em um espaço virtual íntimo, onde ficam cara a cara com o artista, que acena de dentro de um tanque de vidro que está lentamente se enchendo de água. Os visitantes são convidados a fazer contato com a Abramović virtual e se deparam cercados por uma cena dramática de derretimento de calotas polares. Abramović insta os telespectadores a reconsiderar seu impacto no mundo ao seu redor, pedindo que eles escolham se querem ou não salvá-la do afogamento, comprometendo-se a apoiar o meio ambiente, o que reduz o nível de água no tanque.

Renata Morales nasceu na Cidade do México e mudou-se com sua família para o Canadá ainda jovem. Inspirada pelo que está quebrado e corroído, sua arte é mista e multimídia. Com força intuitiva, Renata Morales desafia os métodos tradicionais ao reimaginar a escultura em cerâmica, têxtil, pintura e fotografia, resultando em sua primeira grande exposição individual fora do México.

Marina Abramović, RA, nasceu em 1946 em Belgrado, na Sérvia. Mudou-se para Amsterdã em 1976 e vive em Nova York desde 2001. Seus trabalhos pioneiros de performance fizeram dela o tema de numerosas exposições individuais e coletivas em todo o mundo, nas instituições mais reconhecidas. O trabalho de Abramović também esteve nas Documenta VI, VII e IX (1977, 1982 e 1992) e na Bienal de Veneza, em 1976 e 1997 – sendo que esta última apresentação lhe valeu o Prêmio Leão de Ouro de Melhor Artista.

Sempre inovando, a Frieze apresenta nesta edição uma seção especial com obras de realidade virtual e realidade aumentada

A edição novaiorquina da feira Frieze recebe o público até domingo, 5 de maio, no Randall’s Park. Com galerias de vinte e seis países, a oitava edição da feira apresentará novas colaborações, exposições que exploram a realidade virtual e seções que celebram a arte latina e latino-americana.

“Este é um ano excepcionalmente forte para o conteúdo da Frieze New York, tornando esta feira a plataforma líder na cidade para descobrir e comprar arte”, disse a diretora da Frieze Fairs, Victoria Siddall. Desde o setor Spotlight, de Laura Hoptman, ao tributo de Franklin Sirmans ao JAM, a edição deste ano continua a expandir o potencial de uma feira de arte, apresentando formas de arte novas e sub-representadas ao lado dos nomes mais significativos da arte moderna e contemporânea”.

Os destaques incluem a participação de Patrick Charpenel, diretor executivo do El Museo del Barrio, em Nova York, e a curadora Susanna V. Temkin em Diálogos, uma homenagem à arte Latinx; o diretor da seção temática do Perez Art Museum Miami celebrando o legado de Linda Goode Bryant e sua histórica galeria de Nova York, Just Above Midtown (JAM); e a exposição de Javier Téllez sobre artistas autodidatas em colaboração com a Outsider Art Fair.

Obra de Yayoi Kusama na Frieze NY 2019. Foto de Ricard Akagawa.

Laura Hoptman, diretora executiva do Drawing Center, de Nova York, é a nova consultora curatorial da seção Spotlight da feira. Comentando sobre o que esperar deste ano, ela disse: “O Spotlight terá uma ênfase especial no potencial radical do desenho, revelando as técnicas renascentistas por trás das pinturas seminais de Alex Katz e as influências da arquitetura e sensualidade nos desenhos da artista Susan Hefuna. Como sempre, a seção celebrará o inconformismo e o pensamento radical em muitas formas e através de divisões geográficas, desde pioneiras feministas como Leonor Fini, Greta Schödl e Kazuko Miyamoto, até figuras inovadoras inspiradas pela espiritualidade e culturas antigas, como Joan Brown, Rachid Koraïchi e Yüksel Arslan.

Laura McLean-Ferris, curadora do Instituto Suíço, e Andrew Bonacina, curador-chefe do Hepworth Wakefield, voltaram para assessorar Frame, que é dedicado a galerias com dez anos ou menos. A seção contará com obras dos artistas Leslie Thornton, Diedrick Brackens e Takahiko Iimura, entre outros, e galerias como a Capsule Shanghai; Galerie Antoine Ertaskiran, Montreal; Galeria Mariane Ibrahim, Seattle; e Galeria Jaqueline Martins, São Paulo.

No total, sete galerias brasileiras participam desta edição: Almeida e Dale, Fortes D’Aloia & Gabriel, Jaqueline Martins, Mendes Wood DM, Marilia Razuk, Nara Roesler e Vermelho.

Fonte: TouchofClass