Galeria22 | Sotheby’s destina prêmio de R$ 1 milhão ao Masp e Pinacoteca por exposições de arte indígena
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
25248
post-template-default,single,single-post,postid-25248,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Sotheby’s destina prêmio de R$ 1 milhão ao Masp e Pinacoteca por exposições de arte indígena

Sotheby’s destina prêmio de R$ 1 milhão ao Masp e Pinacoteca por exposições de arte indígena

A premiação celebra instituições que trabalham em áreas pouco exploradas da História da Arte

O Prêmio Sotheby’s deste ano, que homenageia a excelência curatorial e celebra instituições que estão trabalhando para apresentar exposições em áreas pouco reconhecidas da história da arte, está contemplando duas exposições de arte indígena – que serão inauguradas no Brasil em 2020 e 2021. Os projetos curatoriais compartilharão um prêmio no valor de US$ 250 mil. “Ao reconhecer esses projetos, esperamos abraçar uma cidade e um país que enfrentam grandes problemas – questões igualmente relevantes para o resto do mundo”, afirmou Allan Schwartzman, co-criador do prêmio e presidente e vice-presidente executivo da Sotheby’s.
Exposição de Ernesto Neto na Pinacoteca

Exposição de Ernesto Neto na Pinacoteca

A primeira exposição, “OYP”, será apresentada em três instituições diferentes em São Paulo: a Pinacoteca, o Centro Cultural Casa do Povo e a Kalipety, uma casa de oração. Com curadoria de Naine Terena, curadora independente; Benjamin Seroussi, diretor da Casa do Povo; Jera Guarani, líder da Kalipety; e Jochen Volz, diretor geral da Pinacoteca de São Paulo, “OYP” tentará destacar a ausência de arte indígena nas coleções de museus e resolver questões de preservação após o incêndio devastador que arrasou o Museu Nacional do Brasil, em 2 de setembro de 2018.

A segunda mostra, que será realizada no Museu de Arte de São Paulo (MASP), reunirá obras de arte e objetos culturais de diferentes histórias indígenas de todo o mundo. Datados desde o século XVI até o século XXI, os trabalhos desta exposição serão provenientes da Austrália, Canadá, México, Nova Zelândia, Peru e Sami (Noruega), além do Brasil, e também abrangerão obras de ficção, míticas e relatos pessoais. Entre os integrantes da equipe curatorial de dez pessoas estão Adriano Pedrosa, diretor artístico do MASP; Greg Hill, curador sênior e chefe do Departamento de Arte Indígena da Galeria Nacional do Canadá; Nigel Borell, curador da Māori Art na Galeria de Arte de Auckland; e o artista e curador mexicano Abraham Cruzvillegas.

Outras várias exposições – incluindo “The Art of Cruelty”, do Museu de Arte Contemporânea de Houston, que está programada para dezembro de 2021, e “African Modernism in America, 1947–1967”, que serão apresentadas pelas Galerias da Universidade Fisk em Nashville, em outubro de 2022 – receberam menções honrosas. Descritas como mostras “inspiradoras e transformadoras” pelo painel de seleção, essas exposições receberão, cada uma, a quantia de US$ 10 mil.

Fonte : TouchofClass 18/11/2019