De Taipei a Helsinque, as vinte bienais e trienais que irão atrair os olhares ao longo do próximo ano

O ano começa com um novo calendário, repleto de bienais, trienais e outros eventos de arte que ocorrem em todo o mundo. Mas com a Bienal de Whitney e a Bienal de Veneza ocorrendo em 2019, este ano o mundo da arte estará voltando sua atenção para as muitas exposições intrigantes planejadas na Ásia e no Pacífico.

Há a Dhaka Art Summit, em Bangladesh; a Bienal de Gwangju, na Coréia do Sul; e a Bienal de Kochi-Muziris, na Índia, acontecendo ao longo do ano. Mas isso não significa que ainda não haja muito para ver na Europa, incluindo a Bienal de Liverpool, a Bienal de Berlim e a Manifesta 13 em Marselha. No Brasil, a Bienal de São Paulo ocorre em meio a um cenário político abalado, enquanto nos EUA o Prospect 5 retorna a Nova Orleans, no 15º aniversário do furacão Katrina.

Depois de compilar a agenda com as principais feiras internacionais de arte, chegou a vez de apresentar o calendário com as principais bienais e trienais do ano. Programe-se:

Dhaka Art Summit 
de 7 a 15 de fevereiro
Dhaka, Bangladesh

Samsul Alam Helal, From "Runaway Lovers". Image courtesy the artist.

Samsul Alam Helal, From “Runaway Lovers”. Image courtesy the artist.

A quinta edição da Dhaka Art Summit, bienal, é intitulada “Seismic Movements” e se concentrará em reexaminar histórias, movimentos e fronteiras. Cerca de 500 acadêmicos, artistas, curadores e coletivos de todo o mundo contribuirão para discussões de painel, performances e simpósios espalhados por quatro andares da Academia Shilpakala. Com curadoria de Diana Campbell Betancourt, a cúpula tem como objetivo responder à pergunta “O que é um movimento e como geramos um fora dos limites de uma exposição?”

Glasgow International
De 24 de abril a 10 de maio
Glasgow, Escócia

Martine Syms, still from Notes on Gesture (2015)

Martine Syms, still from Notes on Gesture (2015)

O tema da edição 2020 da Glasgow International é “Attention”. Incluirá novas comissões de artistas britânicos e internacionais, incluindo Martine Syms e Bodys Isek Kingelez, além de exposições dos artistas Urara Tsuchiya, Eva Rothschild, Dawn Mellor, Ingrid Pollard e outros. O tema pede aos artistas que considerem onde nossa atenção está concentrada em meio ao barulho perturbador da vida contemporânea. O diretor da Glasgow International, Richard Parry, e o curador Poi Marr também perguntam: “Como atendemos as pessoas de quem cuidamos, assim como a nós mesmos?”.

Biennale of Sydney
De 14 de março a 8 de junho
Sidney, Australia

Neha Choksi, The Sun’s Rehearsal/In Memory of the Last Sunset (2016). Commissioned by the 20th Biennale of Sydney. Courtesy of the artist and Project 88, Mumbai. Photo: Zan Wimberley.

Neha Choksi, The Sun’s Rehearsal/In Memory of the Last Sunset (2016). Commissioned by the 20th Biennale of Sydney. Courtesy of the artist and Project 88, Mumbai. Photo: Zan Wimberley.

Brook Andrew, o artista-curador da 22ª Bienal de Sydney, está colocando os problemas enfrentados pelos povos indígenas, juntamente com as preocupações mais urgentes do planeta. O título da bienal é “Nirin”, que significa “fronteira”, e seu programa de desempenho é chamado “Wir”, ou céu – ambas as frases que vêm dos ancestrais do curador, o povo Wiradjuri do centro-oeste de Nova Gales do Sul. Andrew quer que os artistas exponham “ansiedades passadas não resolvidas e camadas ocultas do sobrenatural”. Pela primeira vez, artistas do Nepal, Geórgia, Afeganistão, Sudão e Equador participarão da exposição realizada em seis locais da cidade australiana e além para as montanhas azuis. A eles se juntarão artistas como Arthur Jafa, Jose Dávila, Lawrence Abu Hamdan, Teresa Margolles, Zanele Muholi, Lisa Reihana e Laure Prouvost.

Riga Biennial
de 16 de maio a 11 de outubro
Riga, Letônia

Lina Lapelytė, Vaiva Grainytė and Rugilė Barzdžiukaitė, Sun and Sea (Marina) (2019). Performance, Lithuanian Pavilion at the 58th Venice Biennial, 2019. Photo by Laima Stasiulionytė.

Lina Lapelytė, Vaiva Grainytė and Rugilė Barzdžiukaitė, Sun and Sea (Marina) (2019). Performance, Lithuanian Pavilion at the 58th Venice Biennial, 2019. Photo by Laima Stasiulionytė

A segunda edição da Riga International Biennial of Contemporary Art é intitulada “RIBOCA2: And Suddenly It All Blossoms”. Com curadoria de Rebecca Lamarche-Vadel, a exposição canalizará o conceito de “reencantamento” em um contexto global de natureza ecológica, econômica e agitação política. O título é emprestado de um poema letão de Māra Zālīte e fala do objetivo da exposição de criar algumas alternativas mais esperançosas às narrativas apocalípticas sobre o futuro da humanidade. Quase 60% dos artistas em destaque são da região do Báltico (que inclui Dinamarca, Estônia, Finlândia, Alemanha, Letônia, Lituânia, Polônia e Rússia) e pelo menos 85% do trabalho em exibição serão novas comissões. Os artistas participantes incluem Nina Beier, Hicham Berrada, Pierre Huyghe, Lina Lapelytė, Tomás Saraceno e Augustas Serapinas.

Sonsbeek
de 5 de junho a 19 de setembro
Arnhem, Holanda

Documenta 14 ‘curator at Large’ Bonaventure Soh Bejeng Ndikung, during the documenta 14 opening in Kassel, Germany, on June 7, 2017. Photo courtesy Rony Hartmann/AFP/Getty Images.

Documenta 14 ‘curator at Large’ Bonaventure Soh Bejeng Ndikung, during the documenta 14 opening in Kassel, Germany, on June 7, 2017. Photo courtesy Rony Hartmann/AFP/Getty Images.

A exposição de arte histórica ocorre (mais ou menos regularmente) na tranquila cidade de Arnhem desde 1949, como uma maneira de ajudar a cidade a se recuperar dos danos sofridos durante a Segunda Guerra Mundial. A curadoria da mostra holandesa em 2016 foi um momento de carreira para o coletivo de arte ruangrupa, que também fará curadoria de documenta em 2022. O diretora da Sonsbeek 2020 é o curador independente Bonaventure Soh Bejeng.

Manifesta 13
de 7 de junho a 11 de novembro
Marselha, França

Espace Manifesta 13 in Marseille. Courtesy of Manifesta 13.

Espace Manifesta 13 in Marseille. Courtesy of Manifesta 13

Este ano, a bienal européia itinerante está indo para Marselha, no sul da França. Intitulada “Traits d’union.s”, a edição de 2020 pergunta como as comunidades podem não apenas coexistir “mas se unir e criar novos laços de solidariedade”. A equipe curatorial é composta por Alya Sebti, diretora da ifa Gallery de Berlim; Katerina Chuchalina, curadora chefe da Fundação V-A-C de Moscou e Veneza; e Stefan Kalmár, diretor da ICA em Londres.

Helsinki Biennial
de 12 de junho a 27 de setembro
Helsinque, Finlândia

Helsinki Biennial, Vallisaari. Photo by Matti Pyykkö

Helsinki Biennial, Vallisaari. Photo by Matti Pyykkö

A edição inaugural da Bienal de Helsinque é intitulada “The Same Sea” e tem curadoria de Pirkko Siitari e Taru Tappola, os principais curadores do Museu de Arte de Helsinque. A exposição promete refletir sobre a interdependência e destacará cerca de 35 artistas finlandeses e internacionais, incluindo Katharina Grosse, Alicja Kwade, BIOS Research Unit e Laura Könönen. A exposição acontecerá em uma antiga base militar na ilha Vallisaari. Oitenta por cento do trabalho em exibição serão novas comissões ou obras site-specific.

11th Berlin Biennale
de 13 de junho a 13 de setembro
Berlim, Alemanha

Os quatro curadores da próxima Bienal de Berlim, na foto oficial de divulgação

Os quatro curadores da próxima Bienal de Berlim, na foto oficial de divulgação

Quatro curadores da América do Sul assumiram o comando da próxima edição da exposição de Berlim, ainda sem título, mas que já lançou uma programação previa. María Berríos, Renata Cervetto, Lisette Lagnado e Agustín Pérez Rubio, um grupo de curadores “intergêneros identificados por mulheres”, estão desenvolvendo uma série de eventos a partir de agora até maio, a fim de construir relações mais sustentáveis com a cidade e seus artistas.

Yokohama Triennale
de 3 de julho a 11 de outubro
Yokohama, Japão

Yokohama Museum of Art. Courtesy of Wikimedia Commons

Yokohama Museum of Art. Courtesy of Wikimedia Commons

Yokohama está na moda, escolhendo um coletivo de arte para a curadoria de sua trienal. A proposta da Raq Media Collective, sediada em Délhi, chamou a atenção do comitê de seleção porque promete ir além da “globalização superficial”, ao infinito e além. Intitulado “Afterglow”, os três artistas que compõem o Raqs Media Collective insistem no fato de que todos nós, sem saber, experimentamos os resíduos de luz do Big Bang.

EVA International
de 3 de julho a 11 de outubro
Limerick, Irlanda

Paisagem de Limerick conhecida como Golden Vein. Foto Wikipedia

Paisagem de Limerick conhecida como Golden Vein. Foto Wikipedia

A principal bienal de arte contemporânea da Irlanda, a EVA International, retorna à cidade de Limerick. Este ano, a exposição está ligada ao IMMA, o Museu Irlandês de Arte Moderna de Dublin. Em algum lugar entre as duas cidades, haverá uma “grande produção artística” a ser anunciada. Este ano, as pastagens onduladas entre Limerick e Tipperary, conhecidas como “Golden Vein” no século 19, proporcionam um terreno fértil para os artistas participantes (que ainda não foram anunciados). A proposta é explorar “as idéias de terra e seus valores contestados no contexto da Irlanda hoje”.

Liverpool Biennial
de 11 de julho a 25 de outubro
Liverpool, Inglaterra

Linder, The Goddess Who has Arrows (2019). Courtesy of the artist and Modern Art, London.

Linder, The Goddess Who has Arrows (2019). Courtesy of the artist and Modern Art, London

A Bienal de Liverpool é o maior festival de arte contemporânea do Reino Unido. Intitulada “The Stomach and the Port”, a 11ª edição envolverá mais de 50 artistas internacionais para explorar noções do corpo e maneiras de se conectar com o mundo. Com a curadoria de Manuela Moscosco e do novo diretor artístico da bienal, Fatoş Üstek, os artistas participantes incluem Linder, Rashid Johnson, Judy Chicago, Larry Achiampong, Nicholas Hlobo e Zheng Bo.

Gwangju Biennale 
de 4 de setembro a 29 de novembro
Gwangju, Coreia do Sul

Sangdon Kim, You and I, New Tribe from the “King Mountain Eagle Crocodile” series (2017). Image courtesy of Gwangju Biennale.

Sangdon Kim, You and I, New Tribe from the “King Mountain Eagle Crocodile” series (2017). Image courtesy of Gwangju Biennale.

A 13ª Bienal de Gwangju coincide com o 40º aniversário da sangrenta Revolta Democrática em Gwangju. Dirigida por Defne Ayas e Natasha Ginwala, a exposição investiga a co-evolução do mundo com a tecnologia e a maneira como ela pode gerar novas formas de inteligência por meio de redes globais, tecnologias queer e modos de sobrevivência em comunidade. Os artistas participantes incluem Pacita Abad, Gala Porras-Kim e Patricia Domínguez.

Bienal de São Paulo
de 5 de setembro a 6 de dezembro
São Paulo, Brasil

Deana Lawson’s Mama Goma (2014). Courtesy of the artist.

Deana Lawson’s Mama Goma (2014). Courtesy of the artist.

As apostas nunca foram tão altas para a exposição no Brasil. A mostra será organizada pelo curador Jacopo Crivelli Visconti e explorará o conceito de “relação” em um clima político cada vez mais polarizado no Brasil. Ele também está mudando de formato com uma série consecutiva de exposições individuais que ocorrerão antes do início oficial da bienal, em setembro. No prédio projetado por Oscar Niemeyer, artistas como Deana Lawson, dos EUA, e a artista peruana Ximena Garrido-Lecca, apresentarão projetos individuais.

Folkestone Triennial
de 5 de setembro a 8 de novembro
Folkestone, Inglaterra

Sol Calero, Casa Anacaona (2017), part of Folkestone Artworks, commissioned by Creative Folkestone. Image by Thierry Bal.

Sol Calero, Casa Anacaona (2017), part of Folkestone Artworks, commissioned by Creative Folkestone. Image by Thierry Bal.

A quinta edição da Trienal de Folkestone é chamada de “The Plot”, que pode se referir tanto a uma narrativa quanto a uma conspiração, ou materialmente para traçar um curso ou um gráfico. Com curadoria mais uma vez de Lewis Biggs, incluirá 20 novas comissões e apresentará obras de arte em espaços públicos em toda a cidade, na costa sul da Inglaterra. Como nas edições anteriores, uma seleção de obras permanece sob empréstimo de longo prazo dos artistas, que já ostenta nomes como Yoko Ono, Christian Boltanski, Mark Wallinger e Cornelia Parker, entre muitos outros.

Casablanca International Biennale
de 24 de setembro a 1 de novembro
Casablanca, Marrocos

Kid Kreole & Boogie, courtesy of the artist.

Kid Kreol & Boogie, courtesy of the artist.

Para sua quinta edição, a bienal norte-africana está trabalhando em parceria com o FRAC Reunion, o espaço francófono de arte contemporânea da ilha no Oceano Índico. Participarão seis artistas reunioneses, Jean-Sébastien Clain e Yannis Nanguet (também conhecido como Kid Kréol & Boogie), Brandon Gercara, Christian Jalma (também conhecido como Pink Floyd), Gabrielle Manglou e Myriam Omar Awadi. Seu trabalho irá confrontar a história da escravidão, colonização e várias lutas pela independência. A curadora Christine Eyene também formou uma parceria surpresa com o New Art Exchange em Nottingham, nas Midlands da Inglaterra.

Prospect.5
de 24 de outubro a 24 de janeiro de 2021
New Orleans, EUA

The interior of the Marigny Opera House in New Orleans. Photo by Pompo Bresciani.

The interior of the Marigny Opera House in New Orleans. Photo by Pompo Bresciani.

A quinta edição do Prospect New Orleans se chama “Yesterday We Said Tomorrow”, uma linha emprestada de um álbum do músico de jazz Christian Scott, nascido em Nova Orleans. A exposição tem curadoria de Naima Keith, de Los Angeles, e Diana Nawi. Ela abordará “o corpo social e o indivíduo”, seguindo o momento contemporâneo, bem como a memória de Nova Orleans, com suas histórias e culturas que se cruzam e coexistem. A lista de artistas participantes, que oferecerão uma “recontagem incomparável da história que está em sintonia com a nossa era complexa” será anunciada em breve.

Taipei Biennial
de 24 de outubro a 28 de fevereiro de 2021
Taipei, Taiwan

Martin Guinard (left) and Bruno Latour, co-curators of the 2020 Taipei Biennial. Image courtesy Taipei Biennial.

Martin Guinard (left) and Bruno Latour, co-curators of the 2020 Taipei Biennial. Image courtesy of the Taipei Biennial.

Os curadores da Bienal de Taipei 2020, Bruno Latour e Martin Guinard, escolheram um título atual para a exposição: “You and I Don’t Live on the Same Planet—New Diplomatic Encounters”. Ele aponta para o abismo entre Donald Trump e Greta Thunberg como exemplos de opostos polares. Latour é um filósofo distinto e Guinard é curador.

Kochi-Muziris Biennale
de 12 de dezembro a 10 de abril de 2021
Kochi, India

Guerrilla Girls, installation view at Kochi-Muziris Biennale 2018. Courtesy of Kochi Biennale Foundation.

Guerrilla Girls, installation view at Kochi-Muziris Biennale 2018. Courtesy of Kochi Biennale Foundation.

A artista e escritora de Singapura, Shubigi Rao, foi nomeada curadora da quinta edição da principal bienal da Índia. Embora Rao ainda não tenha divulgado um conceito ou artistas participantes do programa, ela disse que vê as bienais como “cidades flutuantes que não são afetadas por sua localidade / regionalidade”, observando que várias histórias de Kochi podem fornecer um local importante para críticas, políticas e práticas sociais.

Bangkok Art Biennial
de 10 de outubro a 21 de fevereiro de 2021
Bangcoc, Tailândia

Bangkok’s Wat Arun, one of the venues for the 2020 Bangkok Art Biennial. Photo: กสิณธร ราชโอรส via Wikimedia.

Bangkok’s Wat Arun, one of the venues for the 2020 Bangkok Art Biennial. Photo: กสิณธร ราชโอรส via Wikimedia.

A Bienal de Arte de Bangcoc está programada para acontecer em vários locais culturais e artísticos, incluindo os templos sagrados de Wat Prayoon, Wat Arun e Wat Phra Chetuphon. Esta próxima edição apresenta uma lista atraente de artistas que até agora inclui Anish Kapoor, Bill Viola e Rirkrit Tiravanija.