Galeria22 | Obra monumental de Antony Gormley, em Nova York, evoca os fenômenos da conexão humana
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
25629
post-template-default,single,single-post,postid-25629,single-format-gallery,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Obra monumental de Antony Gormley, em Nova York, evoca os fenômenos da conexão humana

Obra monumental de Antony Gormley, em Nova York, evoca os fenômenos da conexão humana


O projeto no Brooklyn Bridge Park foi encomendado pelo BTS Connect, uma iniciativa internacional de artes públicas financiada pela boyband coreana

O escultor britânico Antony Gormley produziu uma obra imponente, no Brooklyn, que conceitualmente evoca “os fenômenos da conexão humana”, segundo ele, durante um período em que as probabilidades políticas e ideológicas entre os seres humanos causaram “um maldito desastre”. A obra monumental New York Clearing (2020) – um “desenho no espaço”, como o artista descreve, envolve mais de 18 quilômetros de tubos de alumínio espiralados, que atingem uma altura de mais de 15 metros. A escultura ocupa o Píer 3, na Brooklyn Bridge Park, e permanece em exibição pública até 27 de março.

Resultado de imagem para gormley bts new york"

“Estou com receio de reivindicar um valor simbólico para o trabalho – é apenas um grande rabisco feito em três dimensões e colocado ao ar livre – mas há uma combinação paradoxal de restrição e liberdade no material e em sua construção”, disse Gormley. “Você poderia dizer que é um potencial mecânico, mas penso nele como um potencial humano que pode nos lembrar que temos toda a capacidade de empatia e a capacidade de ver em outra pessoa algo que lembramos sobre nós mesmos”.

O trabalho “não é um objeto, mas um campo”, disse o artista, no qual os visitantes são convidados a entrar e navegar. “Depois de aceitar o convite para entrar neste campo, você se conscientiza de que, como moradores da cidade, não estamos tão confortáveis. Você encontra outras pessoas e se torna parte de um campo em evolução da conectividade humana”.


O conceito é especialmente pertinente ao clima político atual, segundo o artista. “Temos esse retorno nostálgico ao nacionalismo, que é extremamente perigoso, ilusório e divisivo”. Ele acrescenta: “Até certo ponto, o projeto também fala da ideia de que devemos estar vigilantes em resistir às mentiras de nossos políticos e perceber que, por meio de nossa conexão global, temos a capacidade e a responsabilidade de nos educar e estabelecer potenciais alternativos para o futuro que se encontra fora da política nacionalista”.Resultado de imagem para gormley bts new york"

A obra é uma de uma série de cinco comissões internacionais financiadas pelo Connect BTS, uma iniciativa de arte pública sem precedentes lançada pelo grupo pop coreano BTS em janeiro deste ano. Na temporada inaugural, o programa financiou comissões hercúleas em cinco cidades com artistas como Jakob Kudsk Steensen e Tomás Saraceno.

O BTS é “muito jovem – e eu nunca os conheci – mas eles decidiram fazer algo que não precisava acontecer e com uma visão muito particular”, disse Gormley. “O mundo da arte pode ser bastante egoísta e internalizado e, no entanto, essa iniciativa reafirma que a arte é essencialmente de todos e feita para ser compartilhada, o que eu acho que é a raiz de sua filosofia e por que concordei em participar, como parte deste desejo de que a arte seja uma plataforma para maior conectividade e entendimento”.

A iniciativa ímpar permite “projetos independentes que não se enquadram em narrativas institucionais ou comerciais”, diz Gormley. “Isso nos permitiu usar um lugar tão potente em Nova York – ao invés de um prédio, já que os prédios sempre pertencem a alguém e representam algum interesse que não podemos controlar – para fazer perguntas sobre quem somos, para onde estamos indo e no que acreditamos”.

Fonte :