Galeria22 | Entre-laçados | A Casa – Museu do Objeto Brasileiro
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
21219
post-template-default,single,single-post,postid-21219,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Entre-laçados | A Casa – Museu do Objeto Brasileiro

Entre-laçados | A Casa – Museu do Objeto Brasileiro

A CASA – Museu do Objeto Brasileiro inaugura a exposição “Entre-Laçados”. A mostra apresenta trabalhos têxteis que integram diversas técnicas artesanais como crochê, tecelagem, bordado e costuras dentro de perspectivas artísticas.

A convite do museu, os artistas Alexandre Heberte, Marina Godoy, Marta Meyer e Renato Dib aceitaram o desafio de ocupar seu espaço com instalações, painéis, esculturas moles, tapeçarias, tramas e outras intervenções com objetos têxteis feitos à mão. Boa parte das obras apresentam técnicas similares, entretanto por terem sido desenvolvidas a partir de óticas e estímulos distintos, elas percorrem múltiplos caminhos do fazer manual artístico.

Alexandre Heberte traz tecidos manuais em teares de pente liço e mistura técnicas ancestrais como tecelagem, bordado, renda e filé para criar seus planos, relevos, padronagens, texturas e tecituras. Suas tramas são criadas a partir de fios de algodão, fitas VHS, arames de construção, bijuteria, entre outras.  Para o artista, suas obras são percepções bidimensionais que dialogam com o tridimensional. “Elas tratam das infinitas possibilidades da representação e combinações de sua matéria-prima: as fibras. O tecido está em todo lugar, o tempo todo em nossas vidas” completa Heberte.

Já Marina Godoy traz criações com temáticas que norteiam o universo feminino e as questões do tempo. “A escolha dos materiais envelhecidos, rendas gastas, crochês e bordados rasgados, costurados e remendados manualmente, têm como objetivo denunciar a passagem do tempo”, revela Marina.

Tendo as tramas, bordados, teares e agulhas como ferramentas principais de expressão artística, Marta Meyer selecionou algumas peças que exploram pontos tradicionais do bordado, a sobreposição de tecidos e a mescla de diferentes tramas. “Chamo meus painéis de ‘colagens têxteis’, nos quais os diferentes pontos de bordado unem os fragmentos formando um grande e novo tipo de tecido”, diz Marta.

Renato Dib pendura seus objetos tridimensionais no ar, nos quais utiliza técnicas tradicionais ou inventadas e materiais têxteis para construir as peças. Cortar e costurar, aplicações, bordados, patchwork, furos e rasgos vão modelando as formas. “Os tecidos usados são escolhidos pela história que eles carregam e podem vir de roupas, almofadas, toalhas, pedaços recortados, fitas, linhas, etc. Tudo isso, contemplando as formas do corpo humano, tanto por fora como por dentro”, afirma o artista. “Entre-Laçados” pode ser conferida até o dia 12 de maio de 2018 na sede do A CASA museu do objeto brasileiro.

Fonte: Dasartes