Galeria22 | Leonardo Da Vinci retém agora o título de obra mais cara do mundo
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
20783
post-template-default,single,single-post,postid-20783,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Leonardo Da Vinci retém agora o título de obra mais cara do mundo

Leonardo Da Vinci retém agora o título de obra mais cara do mundo

Para aqueles que duvidaram que não haveria lances sem limite, aqui está o exemplo de um “golpe supersônico” que acaba de superar todas as expectativas do mercado de arte. O “Salvator Mundi” de Leonardo da Vinci foi leiloada na última quarta-feira por 450 milhões de dólares (com taxas) na Christie’s, em Nova York, ou seja, 270 milhões a mais do que o maior lance anterior da história.

Na verdade, “As mulheres de Argel” de Pablo Picasso não ultrapassou os 180 milhões de dólares em maio de 2005 e o “Nu deitado” de Amedeo Modigliani, havia alcançado 170,4 milhões de dólares, também na Christie’s de em novembro de 2015.

Embora “Salvator Mundi” seja considerado o homólogo masculino da Mona Lisa, a pintura tem a metade do tamanho da obra-prima exibida no Louvre. Seu preço de martelo mais do que 3 vezes maior do lance inicial de tabela.

O oligarca russo Dmitri Rybolovlev (que preside o clube de futebol do AS Monaco) comprou a pintura por 127,5 milhões de dólares. Já o comprador afortunado (atualmente anônimo) espera poder vender por  1 bilhão de dólares no próximo ano se o mercado de ações continuar a aumentar com esse ritmo praticado em 2017.

Graças a “Salvator Mundi” , milagrosamente recuperado, a “Antique Art” está de volta ao centro das atenções. Isso prova que o interesse dos colecionadores por arte histórica não diminuiu de forma alguma, apenas falta trabalhos em destaque em circulação.

Graças a esse lote, a Christie’s realizou a segunda melhor sessão em sua história na noite passada: 788,9 milhões de dólares com 49 lotes e 9 não vendidos. Em novembro de 2014 , a Christie’s conseguiu conceder 75 lotes em uma noite por um total de 852 milhões de dólares (incluindo taxas). O destaque desta sessão recorde foi a obra de 1963 “Triple Elvis” de Andy Warhol que vendeu 82 milhões de dólares. Na noite passada, outra peça importante do príncipe do Pop Art estava à venda, “Os últimos sessenta participantes” (1986), uma variação da “Última ceia” e a última pintura que ele fez antes de sua morte. Mas este imenso tributo ao pintor florentino desapareceu em frente ao original de Da Vinci.

Fonte: Dasartes