Em imagens: Conheça a primeira Bienal de Bangkok - Galeria22
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
22045
post-template-default,single,single-post,postid-22045,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Em imagens: Conheça a primeira Bienal de Bangkok

Em imagens: Conheça a primeira Bienal de Bangkok

Numen For Use Design Collective (Croatia) ‘Tape Bangkok’ 2018

Os planos para a primeira Bienal de Arte de Bangkok foram revelados pela primeira vez em uma cerimônia realizada na Bienal de Veneza 18 meses atrás, e nesta semana, a comemoração da arte contemporânea que durará três meses na capital tailandesa começou. 

Os visitante são transportados ao longo do rio Chao Phraya, agora livre de lixo, de um grande local para outro. Locais religiosos pontuam a paisagem e vários templos budistas que concordaram em exibir obras de arte específicas no local, assim como igrejas fazem em Veneza durante a bienal de lá.

O histórico edifício em estilo colonial do leste asiático não é tão antigo ou grandioso como um palácio, mas é um local impressionante: seus corredores vazios, cheios de arte contemporânea e fachada da frente para o cais, onde a dupla de artistas Elmgreen & Dragset exibem uma obra de oito metros de altura (2018) fica na beira da água.

As comparações entre uma metrópole asiática de rápido crescimento, com uma população de 10 milhões de habitantes, e uma cidade italiana, que é uma gigantesca peça de museu com pouco mais de um quarto de milhão de habitantes, vão tão longe. Mas a Bienal de Arte de Bangkok é parte da luta contínua da cidade para transformar sua imagem internacional de capital sleaze em um refinado centro cultural e viver de acordo com o apelido de “Veneza do Oriente” no século 19.

A moda global para hospedar bienais de arte contemporânea chegou à Tailândia com atraso. Há dezenas de grandes feiras de arte e bienais internacionais apenas na Ásia e novas são adicionadas à lista todos os meses.

Até este ano, o vibrante cenário artístico da Tailândia, repleto de talentos, nunca tentou entrar na onda. Mas em 2018, o país não tem apenas uma, mas três novas bienais. A primeira foi a popular Bienal de Bancoc, que durou de julho a setembro, enquanto em novembro, o Ministério da Cultura revelará sua Bienal Tailândia, principalmente ao ar livre, no balneário de Krabi.

A Bangkok Art Biennale Foundation é financiada por conglomerados tailandeses privados e co-fundada por Thapana Sirivadhanabhakdi, chefe do conglomerado familiar ThaiBev, e Apinan Poshyananda, ex-secretário permanente do Ministério da Cultura da Tailândia.

Apinan, que também é um artista respeitado, acadêmico e curador, usou sua formidável rede para atrair alguns grandes nomes internacionais para adicionar o poder da estrela.

O uso de 20 locais foi garantido para esta bienal, desde edifícios históricos até um grande espaço pop-up customizado no novo empreendimento comercial One Bangkok. No topo da lista aparece a artista de performance Marina Abramovic, que foi assediada por pessoas que faziam selfie em todos os eventos de abertura que ela participou.

A última apresentação de Abramovic na Tailândia foi “God Punishing” (2005), quando ela liderou centenas de outras pessoas para “derrotar” a água no mar do largo de Phuket no aniversário do tsunami mortal do ano anterior.

Desta vez, ela não está se apresentando, mas seu instituto epônimo (MAI) está apresentando performances duracionais de oito artistas diferentes usando o método chamado Abramovic.

Por exemplo, Nyan Lin Htet, de Mianmar, passará três semanas em um espaço cercado por arame farpado dentro do Centro de Arte e Cultura de Bangkok, em protesto contra o tratamento dos rohingyas em Mianmar e outros migrantes. No primeiro dia, ele estava em pé absolutamente imóvel e evitava firmemente qualquer contato visual com a platéia.

O centenário Centro de Arte e Cultura de Bangkok, atualmente em crise financeira por causa da retirada de apoio do governo da cidade, está fervendo esta semana porque é um dos principais locais da Bienal, hospedando não apenas as apresentações do MAI, mas também dezenas de instalações de arte. Isso inclui os sinos de cinco andares de Choi Jeong-hwa feitos com cestos de plástico baratos, chamados “Basket Tower” (2018).

No East Asian Building, o artista coreano Lee Bul transformou uma sala inteira futuristicamente em prata. Chamado “Diluvium”, é radicalmente anacrônico em referencia ao estilo para o edifício em patrimônio, enviando uma sugestão emocionante sobre o futuro potencial para a construção, em parte abandonada.

Perto dali, os troncos de Sara Favriau parecem ter crescido do chão e estão segurando o peso do teto.

Sara Favriau

Choi Jeong-hwa

Veja imagens e um vídeo.

Diluvium

Lee Bul (Korea), ‘Diluvium’ 2012/2016/2018

Zero

Elmgreen & Dragset (Denmark/Norway), ‘Zero’ 2018

 

Fonte : Dasartes