Galeria22 | Pedro Mastrobuono – Retrospectiva de Alfredo Volpi na Europa
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
20903
post-template-default,single,single-post,postid-20903,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Pedro Mastrobuono – Retrospectiva de Alfredo Volpi na Europa

Pedro Mastrobuono – Retrospectiva de Alfredo Volpi na Europa

domingo, 17 de dezembro de 2017

Pedro Mastrobuono – Retrospectiva de Alfredo Volpi na Europa
Agradeço publicamente as gentis palavras de Ricardo Vieira Orsi:
“No Estadão deste sábado, o jornalista Antônio Gonçalves Filho escreve matéria sobre a progressiva inserção de Alfredo Volpi no circuito europeu e norte-americano das artes, graças em grande parte ao trabalho pertinaz e competente que o amigo Pedro Mastrobuono e o Instituto Volpi, por ele conduzido, desenvolvem.”
ALFREDO VOLPI – RETROSPECTIVA NA EUROPA
Como presidente do Instituto Volpi, divido com os amigos a alegria dessa iniciativa.
Jornal O ESTADO DE SÃO PAULO
Edição de sábado 16 de Dezembro de 2017
“Outro pintor moderno que tem, finalmente, seu valor reconhecido lá fora é Volpi. Num esforço acadêmico e institucional, segundo o advogado Pedro Mastrobuono, presidente do Instituto Volpi, o Museu Nacional de Mônaco abre em fevereiro uma retrospectiva com 100 obras do pintor, cobrindo todos os períodos de produção do artista. No dia 15 do mesmo mês, a galeria S/2, da Sotheby’s, em Londres, expõe 12 obras selecionadas pela marchande Luisa Strina. É um ótimo teste para avaliar sua cotação na Europa. Nos EUA, o interesse de colecionadores norte-americanos por ele é grande: a galeria de Barbara Gladstone, de Nova York, vendeu metade da exposição que organizou em novembro.
“O curador da exposição em Mônaco, Cirstiano Raimondi, quis organizar uma mostra didática com esboços e pinturas sobre cartão que deram origem a telas maiores, justamente para que Volpi não seja encarado pelos europeus como um artista ingênuo”, conta Pedro Mastrobuono, lembrando que a viagem de Volpi, nos anos 1950, por cidades italianas onde viveram grandes pintores, é uma prova do seu interesse pela tradição de Giotto e Cimabue. “Ele voltou extremamente impressionado pelas pinturas de Giotto na capela de Scrovegni, em Pádua, e isso pode ser atestado por suas telas que retratam santos”, completa.”
Antonio Gonçalves Filho
O Estado de S.Paulo
16 Dezembro 2017 | 16h00
Link:
Imagens da versão impressa de domingo
(Estadão, 17 de Dezembro de 2017)

Fonte: Blog Pedro Mastrobuono