Galeria22 | Novo estudo revela fatos surpreendentes sobre “A garota com brinco de pérolas “
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
26490
post-template-default,single,single-post,postid-26490,single-format-gallery,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Novo estudo revela fatos surpreendentes sobre “A garota com brinco de pérolas “

Novo estudo revela fatos surpreendentes sobre “A garota com brinco de pérolas “

Após dois anos de estudos, o museu Mauritshuis, em Haia, revelou novas descobertas surpreendentes sobre o A garota com brinco de pérolas, a obra-prima holandesa da Era de Ouro de Johannes Vermeer.

Pesquisadores descobriram que o artista, de fato, pintou a garota com cílios, que desde então desapareceram da pintura. Enquanto isso, o fundo escuro da tela mostrava originalmente uma cortina verde.

O museu divulgou as conclusões de seu projeto de pesquisa “A garota no centro das atenções ”, iniciado em 2018, durante uma apresentação on-line ontem. (A instituição está atualmente fechada como parte dos isolamentos de saúde pública.)

“Não, não descobrimos quem era essa jovem ou se ela realmente existia”, disse a diretora do museu Martine Gosselink em um comunicado em  vídeo. “Mas chegamos um pouco mais perto dela.”

O museu usou novos avanços tecnológicos que foram desenvolvidos desde a última vez em que a pintura foi estudada, em 1994, como técnicas não invasivas de imagem e digitalização, microscopia digital e análise de amostras de tinta. A pesquisa ocorreu nas galerias do museu, dentro de uma sala de vidro construída para a ocasião.

Um pesquisador da galeria Mauritshuis em Haia coloca a menina de Johannes Vermeer com um brinco de pérola dentro de um scanner.  Foto de Bart Maat / ANP / AFP via Getty Images.

Um pesquisador da galeria Mauritshuis em Haia coloca a menina de Vermeer com um brinco de pérola dentro de um scanner. Foto de Bart Maat / ANP / AFP via Getty Images.

Graças à varredura por fluorescência de raios X macro e ao exame microscópico, os pesquisadores conseguiram provar que Vermeer pintava minúsculos pêlos ao redor dos dois olhos e que havia detalhes de cortinas dobrados atrás dela. Anteriormente, pensava-se que a falta de cílios e o vazio informe do fundo indicavam que Vermeer estava pintando um rosto idealizado, e não uma pessoa real.

A descoberta desses detalhes ocultos, que não são mais visíveis ao olho humano, “coloca a garota em um espaço definido e nos aproxima muito dela”, disse o conservador e líder de projeto Mauritshuis, Abbie Vandivere.

Os pesquisadores também foram capazes de identificar as fontes dos pigmentos utilizados na pintura a óleo. Havia chumbo branco no Peak District no norte da Inglaterra, azul ultramarino de lápis-lazúli no Afeganistão atual, vermelho cochonilha feito de insetos no México e na América do Sul. Graças a um comércio próspero de produtos globais, Vermeer provavelmente conseguiu comprar esses materiais distantes em sua cidade natal, Delft.

“É surpreendente a cor ultramarina de alta qualidade que Vermeer usou no lenço da menina”, disse Vandivere. “Este pigmento azul era mais valioso que o ouro no século XVII.”

A pérola na menina de Johannes Vermeer, com um brinco de pérola, com ampliação de 140x.  Foto de Hirox Europe, Jyfel.

Ampliação de 140 vezes. Foto de Hirox Europe, Jyfel.

Quando o museu investigou a pintura pela última vez, descobriu que um segundo destaque na pérola não foi pintado por Vermeer, mas na verdade era um floco de tinta que havia caído e se recolocado na tela. Desta vez, eles notaram a maneira como ele renderizou o brinco, adicionando apenas algumas pinceladas de pigmento no fundo para criar a ilusão da jóia.

“Ele não tem contorno e também não tem gancho para pendurá-lo na orelha da garota”, disse Vandivere.

Agora, toda a pintura pode ser examinada de perto on-line , ampliando cada detalhe até 140 vezes.

Esquerda: Microfotografia digital 3D do olho direito da menina.  Imagem cedida por Hirox Europe, Jyfel  Direita: O mapa de fluorescência de raios X macro (MA-XRF) para ferro (Fe) mostra que a Vermeer pintou os cílios usando uma tinta marrom.  Ambas as imagens são mostradas com ampliação de 140x.  Imagem cortesia de Annelies van Loon, Mauritshuis / Rijksmuseum.

Esquerda: Microfotografia digital 3D do olho direito da menina. Imagem cortesia de Hirox Europe, Jyfel. Direita: O mapa de fluorescência de raios-X para ferro mostra que a Vermeer pintou os cílios usando uma tinta marrom. Imagem cortesia de Annelies van Loon, Mauritshuis / Rijksmuseum

A investigação da tela também revelou a ordem em que foi pintada. Vermeer primeiro usou linhas pretas para delinear a composição, antes de pintar o rosto, a jaqueta e o colar da menina. O lenço azul e o brinco de pérola foram os elementos finais adicionados à tela, exceto pela assinatura do artista.

“O fato de ela ainda ser um mistério mantém as pessoas curiosas e a mantém empolgante e renovada”, disse Vandivere. “É bom que alguns mistérios permaneçam e todos possam especular sobre ela. Permite às pessoas a sua própria interpretação pessoal da menina. Todo mundo sente sua própria conexão com a maneira como ela encontra seus olhos.”

Por Sarah Cascone

Fonte e tradução: Artnet news

Fonte :Dasartes 27/04/2020