Galeria22 | Passagem do tempo é tema de coletiva no MAC-USP
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
20976
post-template-default,single,single-post,postid-20976,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Passagem do tempo é tema de coletiva no MAC-USP

Passagem do tempo é tema de coletiva no MAC-USP

O Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo – MAC USP, recebe a partir de 13 de janeiro a exposição coletiva Matriz do Tempo Real.Com curadoria de Jacopo Crivelli Visconti, concepção de Ricardo Ribenboim e realização da Cia das Licenças, a exposição reúne cerca de 40 trabalhos de artistas brasileiros e internacionais.

O passar do tempo constitui o elemento central das obras, seja do ponto de vista da reflexão filosófica, seja num sentido processual, dos dias levados para a realização do trabalho.

 

“Mecanismo primordial do derivar”, de Daniel de Paula (Créditos: Divulgação)

 

A mostra abre com 4’33”, do compositor americano John Cage. Apresentada pela primeira vez em 1952, a música não possui nenhuma nota. Durante os 4 minutos e 33 segundos, o pianista permanece sem tocar, chamando atenção para os ruídos da plateia, que também seriam considerados parte da música.

A obra Today do artista conceitual On Kawara também compõe a exposição. Desenvolvido ao longo de 48 anos, o trabalho era, antes de tudo, um ritual. Para cada dia que passava, o artista japonês produzia uma pintura, em cujo centro escrevia a data da obra. Assim que prontas, as telas eram guardadas em uma caixa forrada por um jornal.

O artista, que costumava viajar muito, manteve o hábito onde quer que estivesse, produzindo até a sua morte, em 2014. Ao eternizar dias anônimos, Today é, sobretudo, uma reflexão sobre a força esmagadora do tempo.

 

Série “Today”, de On Kawara (Créditos: Divulgação)

 

Esses trabalhos internacionais conversam com a produção brasileira, como a de Artur Barrio e Ivens Machado, presente na coleção do museu.

Ao propor o diálogo entre as obras, a exposição agrega novas leituras ao acervo do museu, que foi protagonista na difusão da arte conceitual no País. “Durante a gestão de Walter Zanini, de 1963 a 1978, o MAC teve um papel fundamental, tanto na concepção das obras, oferecendo materiais e equipamentos, quanto no apoio aos artistas, criando um lugar onde esse tipo de produção fosse conhecida e valorizada”, pontua o curador.

 

“Time Structures”, de Mauro Restiffe (Créditos: Divulgação)

 

Em cartaz até 18 de março, Matriz do Tempo Real contempla vários formatos, tais como vídeo, fotografia e pintura.  “A exposição contém uma variedade de artistas que, de maneiras bastante distintas, possuem o desejo de capturar o tempo”, afirma Jacopo.

  •  Museu de Arte Contemporânea – MAC USP – Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301 – Parque do Ibirapuera, São Paulo
    (11) 5573-9932
    + Ver mapa
  •  13/01/2018 a 18/03/2018
  •  Terça: 10h às 21h. Quarta a domingo: 10h às 18h.
  •  Entrada gratuita.

Fonte: Site O Beijo