Legion of Honor, em San Francisco, apresenta “Good Muse,” individual de Sarah Lucas

Sarah Lucas apresenta “Good Muse”, sua primeira grande exposição em um museu nos Estados Unidos, no Fine Arts Museums de São Francisco. A mostra apresenta duas novas obras da artista, ao lado de uma seleção de esculturas recentes em diálogo com a aclamada coleção de obras do museu por Auguste Rodin, por ocasião do 100º aniversário de sua morte.

Ao confrontar os nus de Rodin com as verdades nuas de Lucas, Good Muse chama a atenção para o erotismo palpável em grande parte do trabalho de Rodin e, ao mesmo tempo, enfatiza a dramática mudança na compreensão e representação cultural da sexualidade e do gênero que ocorreu ao longo do século XX.

“Good Muse oferece ao público a oportunidade de descobrir a perspectiva feminina de Lucas no cânone de história da arte, muitas vezes dominado pelos homens”, diz Max Hollein, Diretor e CEO do Fine Arts Museums. “Suas obras oferecem comentários importantes e necessários sobre a freqüente objetivação da forma feminina”.

Lucas se destacou no final da década de 1980 e no início da década de 1990 como membro dos Young British Artists (YBAs). Ela ganhou notoriedade por criar trabalho de confronto e, muitas vezes, cheio de humor, que se interpõe entre o absurdo e o abjecto, o fanático e o poético. Muitas esculturas mostram a estupidez das concepções estereotipadas de gênero e sexualidade. Em Good Muse, Lucas apresenta esculturas em sua gama exclusiva de materiais – meia-calça, cigarros, móveis, concreto e gesso – carregado de poder sexual e psicológico e uma ambivalência disruptiva.

Good Muse permanece em exibição até 17 de setembro de 2017, nas galerias de coleção permanente da Legion of Honor. A exposição tem curadoria de Schmuckli, responsável pela arte contemporânea.

Obras inéditas

Feita para esta mostra, My Disease (2017) é um dramático trabalho em mídia mista, que evoca a carne perfurada de São Sebastião e traça um paralelo aos bronzes de Rodin ancorados na religião e na mitologia, como o Fauno e a Ninfa (1886) e o Anjo Caído (c. 1890). Usando hastes de luz empurradas através de um colchão, a peça de Lucas renuncia uma interpretação literal da figura bíblica, mas os músculos adicionados tornam o impacto menos específico para o gênero.

Jubilee (2017), outra nova escultura, consiste em botas de salto alto em concreto com quase dois metros de altura, que enfrenta desafiadoramente a visão apocalíptica de Rodin em Gates of Hell (1880-1888). A obra-prima de Rodin, que abriga uma multidão inacabada de corpos fundidos, é refletida pela simetria rígida dos moldes de concreto de Lucas. Ao repetir a antiga associação de sexo e morte, a presença monumental de Jubilee ancora as preocupações de Lucas presentes no aqui e agora de uma vida vivida com paixão desenfreada e um senso de humor desobediente.