Galeria22 | Autorretratos de Cézanne em exposição pela primeira vez no Reino Unido
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
20739
post-template-default,single,single-post,postid-20739,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Autorretratos de Cézanne em exposição pela primeira vez no Reino Unido

Autorretratos de Cézanne em exposição pela primeira vez no Reino Unido

Três autorretratos de Paul Cézanne, pintados em 1885 e 1886, incluindo um par complementar que mostra Cézanne com um chapéu-coco, serão exibidos pela primeira vez no Reino Unido na mostra “Cézanne Portraits”, na National Portrait Gallery, em Londres. A exposição reúne pela primeira vez mais de cinquenta retratos de Cézanne, vindas de coleções em todo o mundo.

O primeiro dos três autorretratos, pintado por volta de 1885, foi, juntamente com o primeiro autorretrato de Cézanne, os únicos a se basearem em fotografias. Os outros dois, com o artista usando um chapéu-coco, exibem uma pose familiar de Cezanne olhando por trás de seu ombro, com o olho direito fitando o espectador. O formato do chapéu reflete o prazer de Cézanne nas formas geométricas simples e sólidas.

Também serão exibidos pela primeira vez no Reino Unido dois retratos da esposa de Cézanne, Hortense Fiquet, “Madame Cézanne Sewing” (1877), cedida pelo Nationalmuseum de Estocolmo, e “Madame Cézanne” (1886-7), cedida pelo Detroit Institute of Arts. Um retrato do amigo íntimo de Cézanne, Antoine-Fortuné Marion, que se tornou Diretor do Museu de História Natural em Marselha e passou a pintar expedições com Cézanne na Provença; e uma série de retratos do tio materno de Cezanne, Dominique Aubert que, vestido com trajes diferentes, posou para nove ou dez retratos de seu sobrinho durante o inverno de 1866-7. Além dos retratos inéditos no Reino Unido, a exposição também inclui uma série de obras que foram exibidas pela última vez neste país entre as décadas de 1920 e 1930.

À esquerda: Uncle Dominique in Smock and Blue Cap, 1866–7; à direita: Madame Cézanne in a Red Armchair, 1877

Os retratos de Cézanne

Paul Cézanne (1839-1906) pintou quase 200 retratos durante sua carreira, incluindo vinte e seis dele e vinte e nove de sua esposa, Hortense Fiquet. “Cézanne Portraits” explora as características pictóricas e temáticas especiais do retrato de Cézanne, incluindo a criação de pares complementares e múltiplas versões do mesmo tema. O desenvolvimento cronológico dos retratos de Cézanne é levado em conta, com um exame das mudanças ocorridas em relação ao seu estilo e método, e sua compreensão da semelhança e da identidade. A exposição também discute a medida em que os assistentes particulares influenciaram as características e o desenvolvimento de sua prática.

As obras incluídas na exposição vão desde os retratos notáveis do seu tio Dominique, da década de 1860, até seus retratos finais de Vallier, que auxiliou Cézanne em seu jardim e estúdio em Les Lauves, Aix-en-Provence, feitos pouco antes da morte do artista em 1906. As pinturas vêm por empréstimo de museus e coleções particulares do Brasil, Dinamarca, França, Rússia, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos.

Cézanne é considerado um dos artistas mais influentes do século XIX. Geralmente classificado como pós-impressionista, seu método exclusivo de construir a forma com a cor e sua abordagem analítica à natureza influenciou a arte dos cubistas, fauvistas e sucessivas gerações de artistas de vanguarda. Tanto Matisse como Picasso chamaram Cézanne de “pai de todos nós”.

À esquerda: Boy in a Red Waistcoat, 1888–90; à direita: Self-Portrait with Bowler Hat, 1885–6

Detalhes da exposição

O Dr. Nicholas Cullinan, diretor da National Portrait Gallery de Londres, disse: “Estamos muito satisfeitos em ter reunido um número sem precedentes de retratos de Cezanne pela primeira vez, para revelar indiscutivelmente o aspecto mais pessoal e, portanto, o mais humano de sua arte . Embora Cézanne tenha aprendido muito com os impressionistas, seu objetivo era bastante diferente, sua visão única, pautada pelo desejo de ver além das aparências, até a estrutura oculta das coisas através da linha e da cor cintilante. Em nenhum lugar isso era mais evidente do que em seus retratos. Esta é verdadeiramente uma exposição única”.

John Elderfield, curador-chefe emérito de pintura e escultura no Museu de Arte Moderna de Nova York e curador da exposição, disse: “Os retratos de Cézanne não só nos convidam para o mundo que ele conheceu; eles também nos permitem contemplar a contínua inventividade do artista em seu trabalho. Ao contrário da maioria de seus colegas de vanguarda, Cézanne nunca recebeu uma encomenda de retrato e muitas das telas de amigos e familiares oferecem pouca informação sobre a individualidade, estatura ou a psicologia de seus modelos. Mais do que suas paisagens e naturezas-mortas, os retratos de Cézanne servem como marcos na sua longa e prolífica carreira, permitindo-nos refletir sobre os principais desenvolvimentos em seu processo de pintura e sobre sua compreensão do que o retrato pode alcançar”.

A exposição foi exibida inicialmente no Musée d’Orsay, de 13 de junho de 2017 a 24 de setembro de 2017, passando pela National Portrait Gallery de 26 de outubro de 2017 a 11 de fevereiro de 2018 e encerrando sua itinerância na National Gallery of Art de 25 de março a 1 de julho de 2018.

Fonte: TouchofClass