Galeria22 | Bienal de Veneza 2019: artistas e curadores confirmados até agora
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
21288
post-template-default,single,single-post,postid-21288,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Bienal de Veneza 2019: artistas e curadores confirmados até agora

Bienal de Veneza 2019: artistas e curadores confirmados até agora

Austrália, Canadá, Suíça e Nova Zelândia anunciam planos para a mostra organizada pelo diretor da Hayward Gallery, Ralph Rugoff

A lista dos artistas e curadores anunciados para a Bienal de Veneza 2019 (que acontece entre 11 de maio a 24 de novembro) está crescendo. Austrália, Canadá, Suíça e Nova Zelândia apresentam agora suas seleções.

Angelica Mesiti, videoartista de Sydney, foi confirmada como representante da Austrália para a 58ª Bienal, depois de ter sido selecionada por um painel independente com mais de 70 inscrições. Seus trabalhos incluem “Mother Tongue” (2017), instalação de vídeo encomendada para a Capital Europeia da Cultura de 2017 em Aarhus, e o vídeo “Citizens Band” (2012). O anúncio veio depois que um novo e controverso modelo de seleção de artistas foi anunciado em 28 de outubro do ano passado pelo Conselho de Artes da Austrália, órgão de assessoria e financiamento de artes do governo que gerencia a representação da Austrália em Veneza. A curadoria do pavilhão australiano de 2019 é de Juliana Engberg, que organizou a 19ª Bienal de Sydney em 2014.

Leia mais: Brasil leva menção honrosa em premiação da Bienal de Veneza

Enquanto isso, a historiadora de arte franco-suíça Charlotte Laubard, que trabalha em Genebra, organizará a exposição do Pavilhão Suíço. “Como professora e diretora do Departamento de Artes Visuais da HEAD (Faculdade de Arte e Design de Genebra), a pesquisa de Laubard centra-se nos usos e valor da arte, no impacto da tecnologia digital em uma sociedade em profunda transformação cultural e em práticas de autoaprendizagem”, diz um comunicado.

Vídeo: Bienal de Veneza 2017

Já a escolha da Nova Zelândia é o artista Dane Mitchell, que selecionado no ano passado pelo Conselho de Artes da Nova Zelândia Toi Aotearoa. “O projeto escultural de [Mitchell] será exposto e, ao mesmo tempo, dissimulado. Os broadcasts que dão voz a domínios e fenômenos invisíveis serão transmitidos por toda a cidade de Veneza, através de tecnologias modernas e contemporâneas”, diz uma declaração do projeto. O coletivo de artistas Isuma representará o Canadá. Isuma é uma empresa de produção de vídeo fundada por artistas inuit, povos indígenas do Ártico canadense.

O diretor artístico da próxima Bienal de Veneza é o diretor da Hayward Gallery, Ralph Rugoff, conforme anunciado pelo conselho de administração da exposição internacional em dezembro do ano passado. A 57ª edição, encerrada em 26 de novembro, incluiu 86 pavilhões nacionais oficiais e atraiu mais de 615 mil visitantes.

Fonte: TouchofClass