Lévy Gorvy vende obra de Kooning por US$ 35 milhões na abertura da Art Basel Hong Kong - Galeria22
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
21532
post-template-default,single,single-post,postid-21532,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Lévy Gorvy vende obra de Kooning por US$ 35 milhões na abertura da Art Basel Hong Kong

Lévy Gorvy vende obra de Kooning por US$ 35 milhões na abertura da Art Basel Hong Kong

A oitava edição da Art Basel Hong Kong abriu para convidados selecionados na terça-feira de manhã com um estrondo de US$ 35 milhões

Menos de duas horas depois da pré-estreia VIP da Art Basel em Hong Kong, a poderosa Lévy Gorvy anunciou a venda do principal trabalho do seu estande – uma pintura abstrata de Willem de Kooning de 1975 com um preço inicial de US$ 35 milhões. Acrescentando ainda mais brilho ao apelo do trabalho estava o prestigiado proprietário, co-fundador da Microsoft e colecionador Paul Allen, que pediu a Lévy Gorvy para vender a obra por ele.

A rápida venda do que é, de longe, uma das obras mais caras da feira, confirma o que negociantes e casas de leilão têm apostado: fileiras crescentes de compradores ricos de toda a região que estão determinados a conquistar obras-primas blue-chip e que não têm medo de gastar somas de sete e oito dígitos pelo melhor trabalho.

Willem de Kooning, Untitled XII (1975). Courtesy Lévy Gorvy

A galeria se recusou a dizer o nome ou nacionalidade do comprador, exceto para especificar que o trabalho está indo para uma coleção particular.

Brett Gorvy revelou que, quando Allen decidiu vender a pintura, a galeria elaborou estratégias sobre a melhor maneira de vendê-la, incluindo uma possível venda privada. Mas desde que Allen se mostrou disposto a colocar seu nome por trás da pintura, eles decidiram trazê-lo para uma grande feira de arte. Depois de considerar a edição suíça da Art Basel, Lévy Gorvy acabou decidindo em Hong Kong.

Uma razão convincente para trazer o trabalho de De Kooning para Hong Kong é o número de obras do artista vendido pela Christie’s a compradores asiáticos durante o mandato de Gorvy como co-diretor do departamento de arte contemporânea e pós-guerra.

O preço também era importante. Há uma série de leilões e vendas privadas comparativas para as obras de De Kooning que dariam ao comprador a confiança de que o preço de US $ 35 milhões seria realista, disse ele. “É um pouco abaixo do que você normalmente veria uma pintura como essa em uma situação altamente competitiva em leilões.”

Art Basel Hong Kong 2018

Entre os dias 29 e 31 de março, Hong Kong recebe mais uma edição da Art Basel. Este ano o evento reúne 248 galerias de 32 países e territórios. Reforçando o compromisso da Art Basel com a região, mais uma vez metade dos expositores são galerias da Ásia e Ásia-Pacífico. O programa oferece uma visão geral aprofundada da diversidade da região através de material histórico e obras de vanguarda de artistas estabelecidos e emergentes.

Entre os participantes, estão quatro galerias brasileiras: Bergamin & Gomide, Fortes D’Alóia & Gabriel, Mendes Wood DM e Galeria Nara Roesler.

Fonte: TouchofClass