Christie’s registra vendas recordes de £ 2,97 bilhões no primeiro semestre - Galeria22
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
21922
post-template-default,single,single-post,postid-21922,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Christie’s registra vendas recordes de £ 2,97 bilhões no primeiro semestre

Christie’s registra vendas recordes de £ 2,97 bilhões no primeiro semestre

Leilão Rockefeller ampliou as vendas privadas e online, impulsionando um aumento de 26%

Os relatórios da Christie’s registraram o maior volume de vendas já alcançado pelo primeiro semestre, acumulando £ 2,97 bilhões – um aumento de 26% em relação ao ano passado. O último recorde era de £ 2,9 bilhões, em 2015. O leilão da coleção de Peggy e David Rockefeller realizado em Nova York no mês de maio contribuiu com £ 614 milhões, mais do que qualquer venda de um único proprietário na história.

Os números subiram em todas as três plataformas de vendas. As vendas privadas, que caíram 32% em 2017, tiveram o maior aumento (135%, £ 287 milhões), seguidas pelas vendas de leilões online, que cresceram 40% (£27,7 milhões). As vendas de leilão subiram 20% (atingindo £2,65 bilhões).

Dirk Boll, presidente da Christie’s na Europa, Oriente Médio, Rússia e Índia (EMERI), diz que o sucesso da casa de leilões é resultado de sua recente reestruturação, ou seja, o fechamento de seu salão de vendas em South Kensington em julho passado, bem como uma abordagem mais direcionada às vendas. “Desenvolvemos uma rota que o mercado aprecia. Nós deixamos de lado os itens superfaturados, estreitamos as ofertas e fomos realistas nos preços ”, disse ele.

A venda de arte contemporânea pós-guerra e contemporânea em Londres, no mês de março, foi a mais alta de todos os tempos na Europa (£137,5 milhões de libras). Basta comparar com os leilões de arte contemporânea de junho, que este ano sofreram queda , com as vendas atingindo £ 13,5 milhões.

A “cereja do bolo”, diz Boll, foi o leilão Rockefeller, que não só arrecadou £ 614 milhões, mas também “abriu diálogos com outros colecionadores em diferentes áreas, como as artes decorativas”. Cerca de 80% dos lotes foram comprados por colecionadores dos EUA, diz Boll.

“Les délices de la vie” (circa 1892-93), de Armand Seguin, que atingiu US$ 7.7 m no leilão da coleção Rockefeller

De acordo com o banco de dados da Artnet, a Christie’s vendeu oito dos dez principais lotes de leilão deste ano. O número de lotes vendidos por mais de US $ 10 milhões subiu de 46 para 55.

Nos últimos seis meses, os clientes norte-americanos responderam por 45% dos gastos, os asiáticos por 24% e os clientes da EMERI por 31%, embora esses números sejam distorcidos pela venda da Rockefeller. “Se você desconsidera o Rockefeller, estamos divididos de maneira bastante equilibrada, especialmente se você olhar para licitadores e compradores. A Ásia representa hoje um terço dos nossos clientes ”, diz Boll. Na Ásia, houve um aumento de 24% em novos compradores da China.

A questão agora é se a Christie’s continuará com suas vendas de arte contemporânea de março e outubro em Londres, ou se reintroduzirá sua noite de vendas em junho. “Continuamos observando o que está acontecendo e essa é uma pergunta, que eu ficarei feliz em responder depois da temporada de outubro”, disse Boll.

Para termos de comparação, o mercado continua aguardando o relatório da Sotheby’s, que deve reportar seus resultados semestrais no dia 6 de agosto.

Via The Art Newspaper

Fonte : TouchofClass