As ideias de Giacometti sobre como abordar a figura humana tornaram-se questões essenciais na arte contemporânea para gerações seguintes de artistas

O Museu Guggenheim de Bilbao apresenta “Alberto Giacometti. Uma retrospectiva”, extensa exposição com mais de 200 esculturas, pinturas e desenhos de Alberto Giacometti (1901-1966) – um dos artistas mais influentes do século XX – ao longo de 40 anos de sua produção artística. O espetáculo oferece uma perspectiva única sobre a obra do artista, com um foco particular na extraordinária coleção de arte e materiais de arquivo conservados pela Fondation Giacometti em Paris, que foi montada pela viúva do artista, Annette.

Alberto Giacometti nasceu em 1901 na Suiça, em uma família de artistas. Seu pai, o famoso pintor neo-impressionista Giovanni Giacometti, retratado em três bustos esculpidos pelo jovem Alberto, foi quem o iniciou na pintura e escultura. Em 1922, Alberto mudou-se para Paris para continuar seu treinamento artístico. Quatro anos depois, se mudou para o estúdio onde permaneceria até seus últimos dias, um espaço alugado a apenas 15 x 16 pés na Rue Hippolyte-Maindron, perto de Montparnasse. Neste estreito e minúsculo espaço, Giacometti criou uma visão altamente pessoal do mundo ao seu redor. 

A figura humana é tema central nas obras de Giacometti. Ao longo dos anos, ele criou obras inspiradas nas pessoas ao seu redor, especialmente seu irmão Diego, sua esposa Annette, amantes e amigos. “Escultura, pintura e desenho sempre me ajudaram a entender minha visão do mundo exterior, especialmente o rosto e o ser humano como um todo. Ou, de maneira mais simples, meus semelhantes e especialmente aqueles que estão próximos a mim por uma razão ou outra”. 

As ideias de Giacometti sobre como abordar a figura humana tornaram-se questões essenciais na arte contemporânea para gerações seguintes de artistas. 

A retrospectiva de Alberto Giacometti permanece no Guggenheim Bilbao até 24 de fevereiro de 2019 e ressalta o interesse do artista em materiais maleáveis, como gesso e argila. Enquanto muitos criadores se limitam a usar o gesso como um material de trabalho intermediário à medida em que produzem – depois de moldar o objeto em argila, mas antes de transformá-lo em bronze – Giacometti usou esse material tanto para a forma inicial quanto para a forma definitiva do objeto. Um bom exemplo disso é o conjunto excepcional de oito esculturas de gesso intitulado Women of Venice, que será apresentado no Museu Guggenheim de Bilbao pela segunda vez desde que foi criado para a Bienal de Veneza de 1956, e que foi exibido na Tate Modern em Londres. em 2017, depois de ser restaurado pela Fondation Giacometti de Paris.