O museu parisiense quebrou seus recordes de público com exposição, que estará no Metropolitan Museum of Art de Nova York a partir de setembro

Eugène Delacroix, Greece on the Ruins of Missolonghi (1826)

Um recorde de meio milhão de pessoas: este foi o número atingido pela mostra de Eugène Delacroix, no Louvre, que reuniu 180 trabalhos que abrangem a carreira do pintor francês. A retrospectiva foi vista por 540 mil visitantes, estabelecendo-se como a mais movimentada da história do museu.

O Louvre também recebeu um reforço de relações públicas nesta temporada, graças ao vídeo “Apesh ** t” de Beyoncé e Jay-Z, que foi ambientado dentro da instituição histórica – embora os trabalhos de Delacroix não tenham feito parte do vídeo da dupla.

Entre março e julho, a retrospectiva do artista chegou a receber uma média diária de 7200 visitantes no último mês. Delacroix é um dos maiores pintores franceses do século 19, mais conhecido por sua obra Liberty Leading the People (1830), mas nos últimos cinquenta anos não houve nenhuma grande retrospectiva sobre seu trabalho. Liberty não estará viajando para o Met, para a exposição de setembro.

A exposição Delacroix, que foi co-organizada com o Met, é um empreendimento ambicioso e colaborativo entre a instituição francesa Sébastien Allard e Côme Fabre e Asher Miller do Met. A versão da mostra que abre em Nova York em 17 de setembro será um pouco menor, com 150 pinturas. Algumas das maiores obras do artista não poderão viajar para os EUA devido ao seu tamanho.

Eugène Delacroix, Women of Algiers in Their Apartment (1833-1834)

Eugène Delacroix, Women of Algiers in Their Apartment (1833-1834)

O Louvre realizou 11 noites de abertura e dias gratuitos durante o último mês, o que permitiu que 25 mil pessoas assistissem à exposição. O presidente francês Emmanuel Macron também deu ao príncipe saudita, Mohammed bin Salman, uma visita privada à exposição no início deste ano, um evento de alto nível que atraiu mais atenção para a exposição.

Com tantos trabalhos importantes à vista, bem como duas de suas pinturas de destaque – La Mort de Sardanapale e La Prize de Constantinopla par les Croisés -choveram elogios da crítica. A retrospectiva expôs todas as facetas do pintor romântico, alternadamente sinistra, política e erótica ao longo de sua ampla carreira.

A mostra no Met será a primeira grande retrospectiva da Delacroix nos EUA. A iteração de Nova York tem grandes chances de superar o público do Louvre, já que os números de visitantes para suas exposições temporárias tendem a ser razoáveis, considerando-se os 8 milhões de visitantes do museu.

“Delacroix” estará no Metropolitan Museum of Art entre 17 de setembro e 9 de janeiro de 2019.