Galeria22 | Sem decepções
A Galeria 22 está no mercado há mais de 20 anos e procura levar aos seus clientes o que há de melhor na arte brasileira, sempre com o objetivo de valorizar o investimento de quem se interessa por esse mercado.
galeria, obra de arte, escultura, pintura, gravura, desenho, artistas brasileiros, exposições
15370
post-template-default,single,single-post,postid-15370,single-format-standard,theme-bridge,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

Sem decepções

Sem decepções

Mesmo no contexto de uma das piores crises econômicas da história do Brasil, leilão supera expectativas.

Coincidindo com a publicação de estudo do banco Credit Suisse, apontando que o Brasil ganhou 11 mil novos milionários em 2016, o resultado do leilão presencial da coleção de arte da massa falida do Banco Santos. Comandado por Aloisio Cravo, realizado nesta terça-feira (22), no Hotel Unique, em São Paulo, superou as expectativas.

O leilão arrecadou R$ 11,86 milhões, ultrapassando a avaliação prevista de R$ 8 milhões. A escultura Vestal Reclinada com Pássaro, de Victor Brecheret, que tinha lance inicial de R$ 1,1 milhão foi arrematada por R$ 2,7 milhões. Do mesmo artista, o Touro (Zebu), em terracota, saiu por R$ 340 mil, quase três vezes o valor previsto, de R$ 100 mil.

Foram poucas as decepções. Dos 213 lotes apresentados, 138 foram vendidos. Instalação Tríade Trindade, de Tunga, falecido este ano, que começou o pregão em R$ 400 mil foi adquirida por R$ 770 mil por um grupo de patronos da Pinacoteca do Estado de São Paulo, para onde a peça será doada.

A lista dos sucessos é grande. Uma escultura em ferro de Amilcar de Castro, avaliada R$ 220 mil e vendida por R$ 1,55 milhão, a tela Prumo, de Antônio Manuel, que saltou de R$ 9 mil para R$ 220 mil, e duas pinturas de Tomie Ohtake, que tinham lances iniciais de R$ 125 mil cada e saíram por R$ 340 mil e R$ 360 mil. A tela Menina no Sofá, de Djanira, de R$ 40 mil por R$ 165 mil, uma pintura abstrata de Aldo Bonadei, de R$ 35 mil por R$ 130 mil, e duas obras em técnica mista de Nelson Leiner, que avaliadas em R$ 25 mil e R$ 28 mil foram arrematadas por R$ 135 mil e R$ 150 mil, respectivamente. Nada mal.

Fonte: Istoé Dinheiro